Cadastre seu e-mail para receber as postagens do blog:

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Kundalini Yoga e Medicina

Kundalini Yoga e Medicina
Alguns distúrbios como depressão, ansiedade, transtorno obsessivo compulsivo e insônia, por exemplo, apresentam significativa melhora quando o indivíduo passa a praticar regular e adequadamente as técnicas propostas. Foram observadas também melhoras em pacientes que sofrem com distúrbio bipolar e em alguns casos de psicose. Recentemente, foram propostas práticas para pacientes com esquizofrenia e foram obtidos resultados animadores, que estão publicados no novo livro de David Shannahoff-Khalsa.
Na prática do Kundalini Yoga para pacientes psiquiátricos e oncológicos, os principais exercícios são os de meditação. Isso permite com que eles alcancem um nível maior de aceitação da própria doença. Além disso, ajuda a diminuir o sentimento de medo que os cerca: medo do diagnóstico, do tratamento – que pode ser bastante debilitante – e da morte. O paciente adquire mais força e alcança um maior equilíbrio físico e mental.

Psiquiatria
A Kundalini Yoga já vem sendo usada, através de suas técnicas de meditação, como tratamento adjuvante na área médica, com atuações principais nos distúrbios psiquiátricos, psicossomáticos e psicológicos, bem como nos comportamentos de vícios e dependências. Algumas destas técnicas são consideradas específicas para os diferentes transtornos psiquiátricos.
Técnicas "específicas" para ansiedade generalizada, TOC, depressão, fobias, vícios, transtornos bipolares, dislexia, distúrbios do sono e outros já foram publicadas.

Oncologia
Um protocolo composto por 07 práticas meditativas foi descrito na literatura médica como auxiliador no combate ao amplo espectro emocional negativo envolvido no diagnóstico e no tratamento do câncer. O protocolo pode ser ensinado e praticado individualmente ou em grupos.

Referências:
“Kundalini Yoga Meditation Techniques for Psycho-oncology and as Potential Therapies for Câncer”, David Shannahoff-Khalsa, INTEGRATIVE CANCER THERAPIES 4(1); 2005 pp. 87-100.
Texto extraído do site: http://www.kyogamed.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário